Vinho, Gastronomia e Viagens

Trapiche Malbec Vineyards – 2017

Trapiche Malbec Vineyards 2017

Trapiche Malbec é um vinho da linha Trapiche Vineyards, elaborado pela Bodega Trapiche, em Mendoza, na Argentina. Além do varietal Malbec, há rótulos com outras uvas, mas os mais encontrados no Brasil são Malbec, Cabernet Sauvignon e Pinot Noir.

Trapiche Malbec

 

Trapiche Malbec 2017 info

 

O que eu achei do vinho?

A primeira vez que tomei o Trapiche Malbec foi em 2014, confesso que na época não curti muito. Em 2018 encontrei ele numa promoção e resolvi dar outra chance.

A primeira coisa que me chamou a atenção quando bebi o vinho foi o açúcar. Muita gente cai nessa “linda” contradição: “Eu não tomo vinho meio-seco… Eu adoro o Trapiche”. Sim, Brasil! Trapiche é MEIO-SECO. Mas calma! Não precisa correr, tá? Não é um vinho doce, acredito que esteja no limite da quantidade de açúcar entre o seco e o meio-seco. Infelizmente não consegui encontrar essa informação no site do produtor para poder confirmar minhas suspeitas.

 

No geral, gostei bastante do vinho. Valeu a pena dar uma segunda chance a ele. Aliás, comprarei os outros varietais e queria que tivesse todos os vinhos da linha aqui no Brasil. Coloquei na minha lista o Trapiche do rótulo prateado, a versão Roble/Oak com estágio em barricas de carvalho.

*Aliás, eu acredito que esse vinho tenha estágio em barricas de carvalho, mesmo que seja por pouco tempo e que a barrica não seja de primeiro uso. No site do produtor não fala nada, nem que sim, nem que não, mas o aroma de baunilha me faz pensar que SIM.

 

É aquele vinho que eu classificaria como o “Fácil de Beber“. Dá uma olhada no post que eu fiz explicando o MEU conceito de vinho fácil.

 

Dicas de Harmonização

Na minha opinião vai com “quase tudo”. Vinho perfeito para levar em um jantar informal, quando você não souber o que será servido. Evites pratos muito leves e frutos do mar, afinal estamos falando de um Malbec, tinto com um corpo médio/alto.

Minhas sugestões: pizzas, massas com molhos mais encorpados (bolonhesa, 4 queijos, funghi, etc), carnes mais suculentas, com molho, assadas.

Queijos tipo Grana, Parmesão, Gouda, Gruyere. Arriscaria um gorgonzola. Mesmo sendo tinto, os taninos são bem comportados e acredito que o açúcar do vinho vai casar bem com o salgado do queijo.

Quanto?

Preço Médio: R$ 50,00, mas sempre encontro com desconto do 

Onde?

Costumo comprar no Pão de Açúcar e no Extra.

.

Este produto foi adquirido pela autora do post.

Vinho Fácil de Beber – Como escolher?

“Érika, me indica um vinho fácil de beber?”

Essa pergunta SEMPRE chega lá no Instagram (@vinhobasico). Esse “tipo de vinho” é muito procurado por quem está começando a beber ou para quem está na transição do vinho suave para o vinho seco.

Se você não se enquadra em nenhum dos casos acima, pode aproveitar as dicas também para comprar aquele vinho do dia a dia, que vai bem com quase tudo!

vinho facil de beber vinhobasico

O que é um Vinho Fácil de Beber?

Esse não é um termo que tem um significado preciso, mas ouvindo de várias pessoas o que elas queriam, percebi um “padrão” entre os vinhos que eu indiquei e o nível de aprovação.

Antes de dar as dicas, preciso dizer que essas características que eu citei não depreciam em NADA o vinho e se você é um bebedor “experiente” não precisa fugir desses vinhos, ok? Vinhos fáceis de beber não são para amadores ou iniciantes, são para pessoas que gostam desse estilo (e eu adoro!).

 

Vamos às dicas:

 

#1 Variedade da uva

 

As uvas têm “potencial” para produzir um vinho mais encorpado ou menos encorpado, isso depende de vários fatores. Algumas uvas que “podem” agradar quem busca por um vinho fácil de beber:

  • Primitivo
  • Gamay
  • Merlot
  • Pinot Noir
  • Sangiovese
  • Cabernet Franc
  • Negroamaro
  • Montepulciano
  • Tempranillo
  • Carménère
  • Marselan
  • Bonarda

Algumas dessas uvas têm potencial para produzir vinhos encorpados, mas se seguir outras dicas abaixo, pode ser um vinho bem fácil de beber.

 

#2 Nenhum ou pouco estágio em barricas de carvalho

As barricas podem conferir ao vinho alguns aromas “tostados” (como café, cacau, caramelo) e taninos. Esses dois nem sempre agradam quem busca por vinho fácil de beber.

Procure por vinhos:

  • sem estágio em barricas, ou
  • com pouco tempo (até 6 meses), ou
  • com estágio em barricas de segundo ou terceiro uso.

Para saber se o vinho passou por estágios em barricas, olhe no contra-rótulo. Caso não tenha nada escrito, é possível que não tenha (ou tenha pouca) passagem. Algumas palavras que indicam estágios em barricas: oak ou oaked (em inglês) e roble (em espanhol).

 

 

#3 Acidez baixa ou média

O Ph do vinho geralmente fica entre 2,5 (mais ácido) e 4,5 (menos ácido), lembrando que o Ph neutro é 7, o da água. Essa informação não está descrita no rótulo, geralmente é encontrada na ficha técnica do vinho, no site do produtor.

Para facilitar na hora da compra, escolha os vinhos de acordo com o clima da região*:

  • Vinhos menos ácidos: regiões de clima quente (em geral Brasil, Chile, Argentina, Austrália, África do Sul)
  • Vinhos mais ácidos: regiões de clima frio (em geral França, Alemanha, Áustria)

 

*DETALHE IMPORTANTE: Alguns países possuem tanto regiões de clima quente quanto de clima frio. A dica do país não é uma regra, mas a chance de acertar é grande!

 

#4 Teor Alcoólico Médio

Vinhos com teor alcoólico de até 13% costumam agradar mais. Aquela sensação de calor dos vinhos mais alcoólicos podem deixar o vinho mais “difícil de beber”. Essa é uma informação obrigatória, portanto é sempre encontrada no rótulo!

 

#5 Seco, mas não muito seco

Tá aqui um fator que muita gente não gosta de assumir, mas que ajuda bastante a deixar o vinho mais fácil de beber: a quantidade de açúcar.

Alguns vinhos secos também podem ter um açúcar residual da uva, o açúcar que não foi transformado em álcool durante a fermentação.

Caso encontre vinho FINO meio-seco, não precisa fugir, tá? Existem muitos vinhos bons que são classificados como meio-seco, mas ficam no limite do teor de açúcar, são “quase” secos.

Mas atenção! Confira no rótulo se o vinho é FINO e não apenas DE MESA! Geralmente os vinhos DE MESA MEIO-SECO são mais doces.

 

#6 Vinhos mais jovens

Vinhos mais jovens, safra de até 3 anos, costumam agradar. Se estamos em 2019, procure por vinhos com safras de 2016 a 2019.

 

#7 Taninos “comportados”

Geralmente escuto: “não quero aquele vinho que desce rasgando”. Existem alguns fatores que fazem com que o vinho tenha mais tanino. Alguns deles:

Variedade da Uva

Uvas como Cabernet Sauvignon, Tannat e Malbec podem ter mais taninos. Para uvas com menos taninos, veja o item 1

Estágio em Barricas de Carvalho

O tempo de estágio em barricas de carvalho aumenta a quantidade de taninos no vinho, principalmente barricas de primeiro uso. Para vinhos com menos taninos, veja o item 2.

 

#8 Vinhos Brancos, Rosés e Espumantes

São vinhos bem fáceis de beber e, pode ter certeza, NÃO são para amadores.

Para os Brancos recomendo vinhos com as uvas Moscato Giallo (esse vinho é SECO, tá? Falei sobre ele aqui nesse post), Moscato, Gewurztraminer, Torrontés, Viognier.

Rosés, comece por esses: Malbec, Tempranillo, Syrah e rosés da Provence.

Espumantes sugiro: Moscatel (que são espumantes doces e bastante aromáticos), Demi-Sec (menos doce que o Moscatel) e espumantes Brut (secos) elaborados pelo método Charmat, pois são mais frutados e “leves” em relação ao método Champenoise.

 

Dicas Gerais

Dificilmente será possível encontrar todos esses critérios em um mesmo vinho, escolha 2 ou mais desses itens que eu apresentei e veja o que acha.

O vinho não é uma ciência exata, é uma bebida viva e são muito diferentes uns dos outros. Experimente e descubra qual é o seu gosto. Não tenha medo de arriscar!

 

Alguns vinhos que já bebi e tem post aqui no blog

Para facilitar, vou deixar aqui alguns posts de vinhos fáceis de beber:

Clos de Torribas Rosé 2017

Clos de Torribas Blanc 2017 (O tinto também é ótimo, mas veja se é a versão Crianza, e não o Reserva)

5 Cabernet Sauvignon 2016 – Quinta Don Bonifácio (Recomendo todos da Linha 5)

Alma Mora Cabernet Sauvignon (Excelente Custo Benefício!!)

Salton Intenso Marselan e Teroldego (Recomendo TODOS da Linha Intenso da Salton! São bem Fáceis de Beber)

Colonia Las Liebres Bonarda 2013 (Tomei esse vinho em 2016, ele era jovem para a época, mas tem safras mais recentes)

Beaujolais Villages George Duboeuf (Beaujolais Villages em geral são ótimas opções, são feitos com a uva Gamay)

 

Sempre dou dicas de vinho fácil de beber lá no meu Instagram! Me segue e me indica também os que você gosta!

Vamos falar sobre Vinho Suave?

Sim! Ele! O mais renegado de todos: O Vinho Suave!

Esse é um dos assuntos mais polêmicos no mundo dos vinhos. Um dos termos mais odiados para os que se consideram experts (e até para alguns que SÃO).

Eu preciso falar sobre o Vinho Suave porque é um assunto que merece ser discutido e colocado em pauta, gostando ou não gostando.

vinho suave 1 vinhobasico

O que é o Vinho Suave?

De acordo com a legislação brasileira, o vinho suave (ou doce) possui quantidade superior a 25g e até 80g de glicose por litro (enquanto o vinho seco possui no máximo 4g por litro)

 

vinho suave 2 acucar vinhobasico

Ou seja, o termo “suave” diz respeito ao TEOR DE AÇÚCAR e não ao TIPO DE UVA utilizado. Muita gente confunde vinho de mesa com vinho suave. Isso é um erro conceitual, mas é muito comum essa confusão porque a maioria dos vinhos suaves são feitos com uvas americanas. Já falei nesse post sobre o vinho de mesa (classe dos vinhos) e nesse post sobre vinho suave (teor de açúcar nos vinhos).

 

Por que existe Vinho Suave?

Pelo mesmo motivo que é comum colocar açúcar no café: para agradar o paladar de quem não consegue ou não gosta de beber sem açúcar. Gosto pessoal de cada um!

Tem muita gente que só bebe café com açúcar e ninguém é condenado por isso. Com o vinho deveria ser assim também.

 

Por que o Vinho Suave é tão criticado?

Há um certo preconceito, sim! Antigamente (MUITO antigamente) os vinhos não eram tão bons como são hoje, era comum a adição de mel e especiarias para conseguir bebe-lo. Isso porque o açúcar ajuda a mascarar alguns gostos ruins e deixar a bebida mais aceitável.

No entanto, hoje há bons vinhos tanto seco quanto suave. Na maioria dos casos, o açúcar é adicionado para agradar ao paladar e não para mascarar uma bebida ruim.

 

Vinho Suave é ruim?

“Ruim” é um adjetivo. Pra saber se é ruim tem que beber e não gostar. Se VOCÊ gosta, então ele é bom pra VOCÊ.

 

É “feio” tomar Vinho Suave?

Como assim “feio”? Vou dizer o que EU acho feio:

  • Feio é alguém olhar torto pra sua taça (ou copo) enquanto você bebe o que gosta.
  • Feio é ser mal educado com as pessoas e se sentir superior porque toma vinho seco (qual é a superioridade nisso?)
  • Feio é aceitar um convite para beber vinho e fazer cara feia quando o vinho servido for suave dizendo “eu não tomo vinho suave”

 

Existe vinho suave bom?

Se quiser uma dica para escolher vinhos suaves, procure no rótulo por Vinhos Finos.

Sim! Existe vinho Fino e Suave (lembra que comentei no início do post que as pessoas confundem vinho de mesa com vinho suave? Pois é!). 

Os vinhos finos são feito com uvas nobres, vitis vinifera: Cabernet Sauvignon, Merlot, Tannat, Moscato, entre várias outras.

 

E os Espumantes?

Tem espumante também para quem gosta de vinhos mais docinhos. Os moscatéis são ótimos!

No caso dos espumantes, o termo usado é “Doce” e não “Suave”

 

Pra concluir…

Vamos ser legais com as pessoas? Vamos beber o que gostamos e deixar que as pessoas bebam o que gostam. O vinho suave e o espumante doce são a porta de entrada para conhecer e consumir os vinhos secos. Vamos respeitar o gosto de cada um.

Ah! E sobre “ser legal com quem gosta de vinho suave”, vale também respeitar quem gosta de vinho seco. Se você chegar em algum lugar e estiverem bebendo vinho seco, não chegue falando “que vinho ruim! vou colocar açúcar!”, porque a boa educação vale para todos, independente da quantidade de açúcar na taça!

 

COMENTA aqui embaixo qual vinho suave você já provou! Vou fazer um post em breve com algumas opções nacionais.