Outro dia entrei numa discussão sobre um vinho barato (barato no sentido de preço e não no sentido pejorativo de qualidade). Falei que tinha comprado um determinado vinho que custava pouco menos de R$30,00 e um sommelier me “alertou”: “Não espere que este vinho seja excepcional”.

Realmente, pode ser que não seja excepcional, mas o que esperar de um vinho barato?

vinho barato vinhobasico

#1 Tenha o mínimo das características do vinho proposto

Se é um vinho tinto varietal Malbec, espero que ele tenha aromas de Malbec. Ok, não vou esperar aqueles aromas complexos de um “bouquet”, pode ser que nem tenha aromas tão intensos e nem muito persistentes, mas tem que lembrar um Malbec. 

Se é um espumante, espero encontrar “perlages“, aquela pequenas bolhas presentes em espumantes devido ao processo de fermentação. Pode ser que não sejam perlages tão delicadas como as de um champagne, mas tem que ter, e também não pode ser grandes como a de um frisante: Espumante é espumante e frisante é frisante.

 

#2 Não tenha “defeitos”

Quando digo não ter defeitos, não é no sentido de “ser perfeito” e sim no sentido de não ter alguns defeitos do vinho:

 

Foxe

Vinho foxado é um vinho com aromas de uvas americanas. Não é legal abrir um vinho e sentir aquele cheiro de suco de uva integral. Não é isso que se espera de um Vinho Fino.

 

Oxidação

Oxidação é um processo natural e já começa a acontecer quando abrimos a garrafa. Esse processo não é instantâneo, então não dá pra aceitar que ele ja esteja oxidado na primeira taça.

 

Doença de Rolha

Nunca me aconteceu de pegar um vinho bouchonné (até hoje!). Dá pra evitar (não eliminar) escolhendo vinhos com as tampas de rosca (screwcaps), além disso, as roscas são mais baratas que as rolhas de cortiça, o que ajuda a baratear o preço do vinho.

 

#3 Acompanhe uma refeição

Estes vinhos geralmente são vinhos para o dia a dia e “acompanham” bem uma refeição, mesmo que não sejam pratos muito elaborados. Vão bem com pratos simples como pizzas, tortas, massas, tábua de queijos e frios, mas alguns vinhos podem sim possuir boas características, estruturas e aromas que permitam harmonizações com pratos mais elaborados.

 

#4 Entender que cada vinho tem a sua proposta

Algumas frases como: “Ele não tem corpo”, “é ácido”, “é muito/pouco tânico”, “tem muita madeira” não podem ser consideradas, necessariamente, como defeitos, má qualidade ou que o vinho seja ruim. Pode ser a proposta do vinho (do produtor, da uva) ou mesmo a avaliação pessoal de quem está bebendo.

 

#5 Dê prazer em beber

O mais importante é gostar do que está bebendo, independente do preço do vinho.

 

#6 Entender que qualidade custa

Ser muito crítico com vinhos baratos é um tanto quanto incoerente. Qualidade custa e não é só no mundo dos vinhos. Isso acontece com roupas, alimentos, eletrônicos, companhia aérea, carro, café, cerveja, etc.

 

#7 Entender que barato NÃO é sinônimo de ruim

Não é porque é barato que precisa ser ruim. Precisamos acabar com o preconceito de “não compro vinho por menos de XX porque são ruins”, “só vinho caro que é bom”. Aliás, encarecer o produto também é uma técnica de vendas, pois muitas vezes não valorizamos um produto por ele ser “barato demais”. Muitas vezes, pagamos mais caro por um vinho e ele nem vale tanto assim. Pagamos muito pelo marketing, embalagem, fama e pouco pela bebida em si.

 

Vinhos mais baratinhos ajudam a aumentar o consumo, torna a bebida mais acessível e estimula o comércio e a produção. Eu sempre procuro por vinhos mais baratinhos e posto lá no meu Instagram (@vinhobasico).

 

E vocês? Costumam comprar vinhos baratinhos? O que acham? Me recomendem aqui nos comentários os preferidos de vocês!

 

Pra quem quer conhecer vinhos bons e baratos, tem este post que fiz com minha seleção de 30 vinhos por menos de 30 (é antigo, mas alguns preços não aumentaram tanto)

Pra quem quer saber como economizar na compra de vinhos, tem esse post aqui. Também é antigo, mas em breve vou fazer um post mais atualizado com outras dicas.